ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Deputado federal Capitão Augusto é convidado para apadrinhar o clube dos PARAQUEDISTAS de Boituva/SP


Boituva (SP) – O ritmo é intenso para milhares de pessoas que participam de campeonatos, de cursos e de saltos turísticos, de um dos esportes que mais crescem no país 

No último domingo (17), o deputado federal Capitão Augusto, em visita ao clube dos paraquedistas da cidade de Boituva/SP, recebeu o convite para apadrinhar o grupo, representando o paraquedismo junto a Câmara dos Deputados.

O privilégio de voar não é mais exclusividade de pássaros, com o paraquedismo, além de voar, as sensações de liberdade são evidentes e inexplicáveis. Diante disto o Web Jornal Notícias Ourinhos, apresenta a história do paraquedismo para você também se apaixonar por este esporte.

HISTÓRIA DO PARAQUEDISMO

“A história do paraquedismo tem início próximo de 1306, quando registros foram feitos de acrobatas chineses que saltavam de muralhas e torres com um item semelhante a um enorme guarda-chuva. Sua função era amortecer a queda e chegada ao solo. O paraquedismo só foi se formalizar em um experimento no século XV, quando Leonardo DaVinci iniciou estudos baseados no vôo dos pássaros. Foi nessa época, que ele inventou diversas máquinas e equipamentos voadores. Ele foi considerado como o precursor como projetista de um paraquedas.

Mesmo com diversos estudos, o paraquedas só seria patenteado em 1783, por Sebatian Lenormand, que começou a realizar diversos saltos. Mas o primeiro paraquedista do mundo só surgiria em 1797. Seu nome era Andre-Jacques Garnerin e realizou diversos saltos, inclusive a quebra de recorde, quando saltou a 8000 pés em Londres.

Com o passar dos anos, o paraquedismo se torna mais popular e fatos como a primeira vez que foi utilizado como salva-vidas e o primeiro acidente fatal acontecem.

O ano de 1911 foi marcante para a história do paraquedismo, já que foi quando uma das maiores polêmicas em relação ao esporte ocorreu. Até hoje há divergências em relação de quem realizou o primeiro salto de paraquedas de um avião. A disputa é entre Grant Norton, que saltou com um paraquedas de seda dobrado em seus braços, e Capitão Albert Berry, que foi com um paraquedas embalado em uma caixa de metal.

Vinte anos depois, o paraquedismo chegava ao Brasil. Charles Astor iniciou cursos de paraquedismo no Aeroclube de São Paulo e formou diversos alunos. Com toda a certeza, ele é o maior incentivador do esporte em nosso país.

Mesmo classificado como um esporte, o uso do paraquedas já teve foco em ações muito negativas. O maior exemplo foi em 1941, quando o exército alemão empregou o seu uso como equipamento de guerra, lançando militares para conquistar a ilha de Creta. O único ponto positivo do uso do paraquedas em guerras, foi o grande incentivo que ele recebeu em seu desenvolvimento, o que foi essencial para melhorá-lo e aprimorá-lo. Tanto que após as Segunda Guerra Mundial, o paraquedismo se desenvolveu em rápida velocidade.

O auge do paraquedismo foi alcançado em 2012, quando o austríaco, Feliz Baumgartner, realizou o maior salto de paraquedas de todos os tempos, a uma altura de 39 mil metros, direto da estratosfera.” (Por Sky Company)