ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DENÚNCIA: SAE POSSUI ADUTORAS DE AMIANTO LEVANDO ÁGUA PARA SUA TORNEIRA, MESMO SENDO COMPROVADO QUE AMIANTO CAUSA CÂNCER


ATUALIZAÇÃO: 29/11/2017 (fonte: G1)
STF proíbe em todo o país produção, venda e uso de materiais com amianto
Por maioria, ministros decidiram que artigo da lei federal que permitia uso do amianto tipo crisotila é inconstitucional. Tribunal decidiu ainda que Congresso não pode permitir utilização do produto.

Responsável pelos serviços de saneamento básico ofertados aos mais de 110 mil habitantes de Ourinhos, a SAE (Superintendência de Água e Esgoto) é uma autarquia da prefeitura municipal de Ourinhos sob responsabilidade do atual prefeito Lucas Pocay (PSD), e administrada pelo superintendente Marcelo Simoni Pires.

A autarquia é auto sustentável (lucrativa) e mesmo nesta condição, a intenção do prefeito Lucas Pocay (PSD), com o apoio da base política no Legislativo que conta com doze, dos quinze vereadores é de realizar sua concessão, transferindo sua administração para uma empresa privada por 30 anos.

Diante desta intenção, a SAE enfrenta mais essa denúncia de que o fornecimento de água para o povo de Ourinhos é realizado através de tubulações com material cancerígeno, em grande parte da estrutura.

Se esta denúncia se confirmar na existência de canos de amianto na estrutura subterrânea da distribuição de água para a cidade de Ourinhos, o MP – Ministério Público precisa com urgência exigir a troca desses canos de amianto.

A DENÚNCIA

Diante de tantas denúncias expostas pela imprensa local de que a SAE enfrenta na atual administração, um munícipe e ex-funcionário da SAE que não identificaremos para preservar sua integridade, relatou:

“Os canos de amianto saem da SAE e distribuem água pela cidade toda. As adutoras de água são de amianto e grande parte das redes secundárias ainda são de amianto também. Exemplo é a vila Margarida, vila Musa, vila Odilon, Centro, jardim Josefina, vila Boa Esperança e vários outros bairros com rede antiga. Mesmo onde a rede é de PVC ou ferro (estas estão todas podres e oxidadas por dentro), elas chegam por adutoras de amianto, que com sua alta pressão interna já levam resíduos de amianto para o consumidor, mas principalmente quando se racham ou quebram, todo amianto vai esfarelado para nossa torneira. O que digo é facilmente comprovado por qualquer ‘meio’ da área.”

Diante desta grave denúncia o superintendente da SAE, Marcelo Simoni Pires, deve tornar público onde realmente existam tubulações em amianto (bairros) e iniciar de imediato a substituição.

TUBULAÇÃO DE AMIANTO (SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS)

A tubulação com cimento de amianto, material classificado como cancerígeno pela OMS (Organização Mundial de Saúde), o amianto já foi banido em mais de 60 países pelos riscos à saúde humana. No Brasil, chegou a ser proibido em alguns estados brasileiros, mas em 2012 o STF (Supremo Tribunal Federal) julgou inconstitucionais essas legislações estaduais.

OUTROS PRODUTOS DE AMIANTO

O amianto é matéria prima de diversos outros produtos, porém os mais encontrados são caixas de água e telhas, e diante da seriedade do tema, caso você desejar banir o amianto do seu dia a dia, sugerimos a substituição.



PROIBIÇÃO

A Lei Estadual 12.684/07 proíbe o uso de produtos, materiais ou artefatos que contenham qualquer tipo de amianto, porém, em seu artigo 4º, permite a utilização desses materiais ou artefatos até que haja a substituição definitiva.

Por sua vez, o médico pneumologista Paulo José Mazaro explica que “este tipo de mineral é conhecido popularmente por ser prejudicial à saúde ao ser inalado, causando a asbestose, doença pulmonar desenvolvida pela aspiração das fibras do minério. Porém, se por ventura, restos de amianto se soltar na água ou contaminar alimentos e for ingerido por um indivíduo em longo prazo, pode gerar problemas no aparelho digestivo.

No caso da inalação dos vapores no banho por água contaminada por amianto, o risco passa a existir.


ALGUMAS DE MUITAS MATÉRIAS VEICULADAS PELA IMPRENSA NACIONAL REFERENTES AO TEMA “AMIANTO EM TUBULAÇÕES NA DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA”