PORTAL DE CONTEÚDO

OPERAÇÃO DO MP FISCALIZA IRREGULARIDADES EM REGISTRO DE PONTO DE UNIDADES DE SAÚDE





Em Cornélio Procópio, no Norte Pioneiro paranaense, foi cumprido nesta quinta feira, 24, mandado de busca e apreensão de documentos no âmbito da Operação Sangria, investigação do Ministério Público do Paraná que apura a prática de crimes de falsidade ideológica e inserção de dados falsos em sistemas de ponto por servidores públicos. O trabalho foi realizado pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca, com apoio da Polícia Militar.

Conforme as investigações, as ilegalidades no ponto estariam sendo praticadas por funcionários que atuam na Unidade de Coleta Transfusional da 18ª Regional de Saúde de Cornélio Procópio, da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). De acordo com as denúncias iniciais, os servidores, dentre eles bioquímicos, médicos e agentes administrativos, registravam a entrada no serviço, via ponto biométrico, mas depois saíam sem cumprir todo o expediente. Foi verificado que em diversos dias do monitoramento, que têm quase um ano, alguns servidores, em horário de serviço, foram a lojas, empresas particulares e para as próprias residências, retornando ao trabalho apenas no final do dia para registro do ponto.

Dados falsos – A partir da busca e apreensão dos registros de ponto e dos eventuais comprovantes de afastamentos dos investigados, será apurado pelo MP-PR se os funcionários não cumpriam os horários de trabalho na forma como consignavam nos registros de ponto biométrico, mesmo recebendo integralmente seus proventos.

Ainda nesta semana serão ouvidos na Promotoria de Justiça os servidores e o chefe do órgão, responsável pela fiscalização.

Havendo comprovação das ilegalidades, o Ministério Público ajuizará contra os funcionários públicos denúncias pelos crimes de falsidade ideológica qualificada e inserção de dados falsos em sistemas de informática, bem como ações civis públicas por ato de improbidade administrativa, além de remeter o caso à Secretaria Estadual de Saúde, para que instaure processo por infração disciplinar.

FONTE: Tá no Site



WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 – WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699