ÚLTIMAS NOTÍCIAS

EM PLENO ANO DE 2019, CRIANÇAS SÃO OBRIGADAS A COBRIR PÉ COM SACOLAS PARA IREM À ESCOLA EM OURINHOS

Ruas de Terra na cidade de Ourinhos dificultam a vida da população

Crianças colocam sacolinhas no pé para não sujar em rua de terra. Não divulgamos as crianças, preservando identificação. (Foto - Reprodução/Redes Sociais)

No jardim Guaporé, a última quadra da rua Hermínia Crivelato e a avenida Anel Viário que vai do bairro até o AME - Ambulatório Médico de Especialidades de Ourinhos, é de terra e trás transtornos para a população do bairro e de usuários da via, principalmente pacientes que se deslocam da região para atendimento na unidade de saúde. Quando chove, a rua vira um "sabão", o que gera riscos de acidentes, além é claro de dificultar a travessia de pedestres.

Última quadra da rua Hermínia Crivelato e a avenida Anel Viário, em Ourinhos. (Foto - Divulgação/Redes Sociais)

Última quadra da rua Hermínia Crivelato e a avenida Anel Viário, em Ourinhos. (Foto - Reprodução/Google Maps)

Na imagem (acima), é mostrado um exemplo que munícipes que acabam sendo sujeitos a colocarem sacolas nos pés para realizarem a circulação em ruas de terra na cidade de Ourinhos. Neste caso específico, as crianças colocaram sacolinhas nos pés para não os sujarem ao caminharem até a escola, passando por uma rua de terra no Parque Pacheco Chaves, em Ourinhos.

Outra rua de terra que felizmente a Prefeitura Municipal de Ourinhos realizou o asfaltamento após a denúncia realizada pelo Jornalista Sérgio Delfino, foi a última quadra da rua Júlio Mori no jardim Ouro Verde, em Ourinhos. Rua esta, que é utilizada por centenas de munícipes diariamente.

Última quadra da rua Júlio Mori, em Ourinhos. Asfaltada após denúncia do Jornalista Sérgio Delfino. (Foto - Reprodução/Google Maps)

Estamos em pleno século XXI, no final do ano de 2019, e a população ourinhense ainda precisa passar por situações desnecessárias, de atrasos em gestão pública, mesmo com milhões de impostos altíssimos que munícipes ourinhenses tiveram que engolir aumentos absurdos nos últimos três anos.