ÚLTIMAS NOTÍCIAS

LEITURISTA SOFRE GRAVE ATAQUE DE CÃO NA REGIÃO




O rosto do leiturista do DAE somente não foi atingido porque ele conseguiu se proteger com os braços

Funcionário do DAE teve ferimentos nos braços; segundo a autarquia, por mês, ao menos um caso semelhante é registrado. (Foto - Divulgação/JC Net)

🌐 A Redação | Ourinhos/SP


Um leiturista do DAE foi atacado e mordido por um cachorro enquanto fazia a medição do consumo de água na região do Tangarás nesta quarta-feira (29). O servidor foi levado ao Pronto-Socorro Central (PSC), onde passou por assepsia nos locais dos ferimentos, foi imunizado por vacinas antirrábica e antitetânica e medicado com antibiótico. Segundo a autarquia, por mês, ao menos um leiturista é gravemente ferido por cães em Bauru.

De acordo com relato do funcionário do DAE, o cão da raça pitbull estava no interior do quintal de um imóvel e escapou pelo portão que estava encostado, momento que começou o ataque.


O rosto do servidor só não foi atingido porque ele conseguiu se proteger com os braços. O animal parou o ataque após alguns minutos, quando uma criança, moradora do imóvel onde o cão havia escapado, chegou ao local.

O funcionário, inclusive, registrou um boletim de ocorrência (BO) na Polícia Civil sobre o fato.

Segundo o DAE, há um registro por mês de casos semelhantes em Bauru. Na maior parte das situações, os profissionais sofrem ataques nas pernas, mãos e dedos, sendo que alguns deles já passaram por essa situação mais de uma vez.


CUIDADOS

Para conscientizar os donos de cães e reduzir o número de acidentes, o DAE pede a que a população redobre os cuidados necessários para evitar esses ataques.

A orientação é que os moradores prendam os cachorros nos dias das leituras nos hidrômetros ou informem por meio de placas que há animais no local. A conta de água emitida pelo DAE possui a previsão de quando será feita a próxima leitura.




O Decreto 760 de 1963 prevê uma série de obrigações ao usuário que possui sua ligação de água, incluindo a disposição dos hidrômetros. A autarquia já exige que o cavalete e hidrômetro estejam posicionados na divisa do imóvel com a calçada, com aberturas nos muros ou muretas e livre acesso pelos servidores do DAE.

FONTE: JC Net (clique aqui)