ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MÉDICO INFECTOLOGISTA DA SANTA CASA ESCLARECE DÚVIDAS SOBRE O CORONAVÍRUS




Nas últimas semanas, informações sobre o surto do novo coronavírus têm tomado conta dos noticiários de todo o mundo

Médico infectologista da Santa Casa de Ourinhos, Dr. Luís Augusto Mazzetto. (Foto - Divulgação/Santa Casa de Ourinhos)

🌐 A Redação | Ourinhos/SP


Por tratar-se de uma nova doença, existem muitas dúvidas e até mesmo informações falsas sobre o tema. Com isso, conversamos com o médico infectologista da Santa Casa de Ourinhos, Dr. Luís Augusto Mazzetto, que esclareceu as principais dúvidas sobre a doença.

– O que é o Coronavírus?
Dr. Luís: Coronavírus são vírus que infectam animais vertebrados. Existem diversas espécies e habitualmente eles possuem um hospedeiro específico, sendo que ocasionalmente passam a infectar outras espécies de vertebrados. Esse coronavírus que atualmente causa uma epidemia na China parece ter se disseminado a partir de um grande mercado popular na cidade de Wuhan, província de Hubei. Já foi vinculada a hipótese de que tenha sido transmitido ao ser humano a partir de morcegos ou de cobras.


-Por que estão chamando de novo Coronavírus?
Dr. Luís: A denominação atual de 2019-nCov, ou novo coronavírus serve para diferenciar a epidemia atual de outras que também emergiram há alguns anos, como o SARS-CoV em 2002-2003 na China e o MERS-CoV em 2012 no Oriente Médio.

– Como o coronavírus é transmitido?
Dr. Luís: Como toda doença infecciosa nova, ainda não conhecemos por completo os mecanismos de transmissão, mas, aparentemente, se assemelha muito à transmissão do vírus da gripe (influenza), através de gotículas respiratórias expelidas pela fala, tosse e espirro da pessoa doente ou pelo contato com secreções respiratórias que contaminam as mãos, objetos, superfícies e depois acabam entrando em contato com as mucosas dos olhos, do nariz ou da boca da pessoa susceptível.


– Quais os sintomas da doença?
Dr. Luís: O quadro clínico aparentemente é bastante variável, indo desde sintomas leves, semelhantes a um resfriado comum até casos graves que evoluem com insuficiência respiratória (Síndrome Respiratória Aguda Grave) com acometimento renal associado.

– Como é o tratamento da doença?
Dr. Luís: Até o momento, não existe nenhum tratamento específico que seja comprovadamente efetivo para 2019-nCoV. Portanto, o tratamento é baseado no repouso, hidratação, medicamentos para alívio dos sintomas e nos casos graves as medidas de suporte como ventilação, drogas que mantém a pressão e diálise quando necessário.


– O coronavírus causa risco de morte?
Dr. Luís: Sim, a taxa de letalidade mostrada nos estudos feitos até o momento fica em torno de 2 a 3%. Em termos comparativos é inferior às outras epidemias por Coronavírus como a SARS-Cov (10%) e a MERS-Cov (36%).

– Como as pessoas podem se prevenir do coronavírus?
Dr. Luís: A prevenção nesse momento consiste em evitar viagens aos locais com grande número de casos, evitar contato com pessoas provenientes desses locais que apresentem sintomas febris ou respiratórios. Além disso, evitar aglomerações, lavar as mãos com frequência, evitar tocar na boca, olhos e nariz e cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar.


– Existe um caso suspeito da doença em Bauru. As pessoas devem se preocupar com um possível surto?
Dr. Luís: Pelo que tenho acompanhado, a Secretaria de Saúde de Bauru confirmou apenas que possuem um caso suspeito. O exame confirmatório é realizado no Instituto Adolfo Lutz em São Paulo, o resultado demora de 7 a 10 dias para sair e a própria Secretaria de Estado da Saúde divulga o resultado. Até o momento, não há nenhum caso divulgado oficialmente, ainda é uma epidemia restrita à China e de pessoas que estiveram lá. Como ocorre a transmissão de pessoa para pessoa existe sim a possibilidade de tornar-se uma pandemia e de chegar ao Brasil.

Vale salientar que não devemos desviar a nossa atenção dos problemas e doenças que neste momento são motivos de maior preocupação no nosso país, como a dengue e uma possível reemergência da febre amarela, doença prevenível com vacina. Especificamente na nossa região, com a febre maculosa, que tivemos casos graves e óbitos.

FONTE: Santa Casa de Ourinhos (clique aqui)