ÚLTIMAS NOTÍCIAS

TREMI TODO, DIZ ENFERMEIRO QUE TRANSMITIU AO VIVO ASSALTO A BANCO EM OURINHOS (SP)




Ele explica que um muro separa a unidade do centro de distribuição do Banco do Brasil invadido pela quadrilha

Alexandre Martins foi ameaçado por criminoso após ser flagrado filmando o assalto. (Foto - Divulgação/Arquivo pessoal)

🌐 Jornalista | Lyandra Cunha




O enfermeiro Alexandre Martins, de 23 anos, transmitiu ao vivo parte da ação criminosa de uma quadrilha que assaltou uma agência do Banco do Brasil em Ourinhos (SP), na madrugada de sábado (2), através do Facebook. O vídeo mostra o momento em que Alexandre é surpreendido por um dos criminosos, que o manda ir dormir após perceber que ele estava filmando o crime.

"Mano, vai dormir, por favor. Desculpa o celular aí. Vai dormir", ordena um dos suspeitos do crime. Após ser flagrado, Alexandre chega a se desculpar. "Desculpa, tudo bem", diz em trecho do vídeo antes de se abaixar.

"Amados, o homem me pegou com o celular aqui. Tô ferrado. Minha sorte é que ele não atirou na minha cabeça", continua. Apesar do temor, o morador não sofreu retaliação, mas lembrou os momentos de pânico durante o ato.




Ele conta que se desesperou a ver o fuzil do bandido apontado em sua direção e ficou sem reação. "Me tremia todo, não consegui ver quanto tempo durou. Mas ficamos duas horas dentro do hospital ouvindo os tiros até que todos os carros [dos criminosos] deixaram o centro", recorda em entrevista ao UOL.

No momento do assalto, Alexandre estava de plantão em um hospital de campanha para atendimento de pacientes com o novo coronavírus, montado no centro de Ourinhos. Antes, costumava funcionar um hotel no local.

Ele explica que um muro separa a unidade do centro de distribuição do Banco do Brasil invadido pela quadrilha. Quando ouviu os primeiros disparos, Alexandre chegou a pensar que eram fogos de artifício.




Era meu horário de descanso, estava deitado. Quando ouvi, logo pensei quem estava soltando rojão perto de um hospital e fui até a janela para mandar pararem. Nem cheguei a terminar a frase e vi que eram vários homens com fuzil. Abaixei desesperado, disse Alexandre Martins.

Assim que percebeu que os barulhos eram disparos de fuzil, o enfermeiro correu para avisar os outros funcionários do hospital. Ele decidiu fazer a transmissão ao vivo para alertar outros moradores da cidade e pedir que não passassem pelo centro.

"Era feriado, a cidade está em quarentena, mas não sei de onde surgiram tantos carros e pessoas na rua. Fiquei desesperado para avisar os moradores, foi quando comecei a fazer uma das lives. Comecei a falar que tinham bandidos [no centro], que achava que era uma gangue, mas nunca passou pela minha cabeça que era um assalto a banco", lembra.




O enfermeiro fez duas transmissões ao vivo. Na segunda delas, ele registrou o momento em que percebeu que os criminosos tinham metralhadoras. Ele conta que, a partir daí, a situação começou a ficar mais desesperadora.

Por conta da quantidade de tiros, os funcionários do hospital sentiram o prédio "estremecer" e começaram a ouvir estilhaços dos vidros das janelas. Segundo Alexandre, todos estavam em pânico com medo de que os homens invadissem o local e atirassem contra eles.

No entanto, o temor não se concretizou e o grupo fugiu após roubar o banco. A cidade chegou a ficar sem internet e o enfermeiro ressaltou que a rede telefônica ficou instável, já que ele tentou diversas vezes ligar para a Polícia Militar e para o Corpo de Bombeiros, mas não conseguiu.






"Foram vários tiros, um atrás do outro"

Apesar de não ter sido feito refém pelos homens, Alexandre viu o momento em que eles pararam carros e teriam feito três pessoas de refém. O enfermeiro também presenciou quando outro veículo foi metralhado pelos criminosos.

"A energia oscilava muito, foi pavoroso. Não dava para contar [quantos tiros], foram vários, um atrás do outro. Às vezes parava um pouco, mas logo continuava. Quando começaram a usar a metralhadora, me assustei ainda mais, foi desesperador", lembra.

Como o vídeo viralizou e chegou a virar um "meme" nas redes sociais, o enfermeiro diz que chegou a ficar chateado, já que passou por uma situação desesperadora. No entanto, decidiu relevar a situação.

"O homem [assaltante] foi educado comigo e eu decidi ser ainda mais educado. Acabei acostumando [com o meme], o país está em quarentena, todo mundo estressado. Acabou tudo bem e as pessoas deram risada no final", diz.

O enfermeiro reforçou que, apesar de receber mensagens afirmando que ele foi corajoso por ter transmitido a ação criminosa ao vivo, ele avalia o ato como uma "estupidez", já que se colocou em risco.




Roubo teria sido de R$ 50 milhões

O assalto à agência do Banco do Brasil teve trocas de tiros entre o grupo que teria cerca de 15 assaltantes. Além de fuzis e armas de forte calibre, eles usaram explosivos na ação. Imagens nas redes sociais mostram um comboio de veículos a caminho da ação. Uma base da PM foi alvejada.

Segundo informações da Band, o grupo teria levado R$ 50 milhões da agência. Oficialmente, o Banco do Brasil não confirmou o valor.

FONTE: UOL Notícias (clique aqui)




WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 – WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699 - WHATSAPP (14) 99606-1699